quarta-feira, 18 de junho de 2014

Desgosto do gosto geral

[...]"não é sábio (sõphrõn) aquele que não desejou (epithumein) o feio e o mal nem deles se aproximou: pois nesse caso não há nada sobre o qual tenha triunfado (kratein), e que lhe permita afirmar-se como virtuoso (kosmios)”
.Antifonte, o Sofista.
in A história da sexualidade vol.2, Foucault



 
O gosto de muitos é desgosto de poucos
Poucos esses que não se deixam enfeitiçar
Querem condicionar meu desejo
Querem que eu me renda ao vulgar

A sociedade das massas deixa a consciência entorpecida
E como em rebanho, seguem uns aos outros
É mais fácil obedecer à cartilha
Tão simples se satisfazer com o gozo fútil
Ao menos por hoje seu ego está afagado
E ainda existe a hipocrisia
O futebol e o samba
Renda-se à bola
Renda-se à bunda
E nessa ciranda, à umbanda
Mas domingo é dia de missa

O caminho mais simples é cômodo quando não se almeja a verdade
A superficialidade é o bastante quando você não sabe quem é
O que se consegue fácil é melhor que nada
se você não se importa com o que quer ganhar
Pegue logo o que te esfregam na cara
E aceite mau gosto como sendo o popular

Tanta coisa acontece nas entrelinhas
Mas só nos ensinam a ler a superfície
O óbvio, vulgar e corriqueiro
Não tem jeito
É o poder que importa
Mas só o que vejo em volta
São bobos da corte coroando-se reis
Cada qual solitário em seu castelo de ilusão
Construído de pequenos prazeres e orgasmos fingidos:
Migalhas de auto-enganação

Um comentário:

  1. Bom saber que voltou a postar, Carlotinha!

    Saudades do amigo,

    j.

    ResponderExcluir